A televisão aberta é deprimente, com raras exceções ela mais atrapalha do que ajuda na formação dos valores das nossas crianças. O único valor passado é o do consumo. Os canais que tem algo interessante e adequado ninguém assiste.

Acompanho a programação das Tvs abertas desde o começo dos anos 1980. Nessa época já existia o nocivo e aliciador Programa da Xuxa onde “paquitas” meninas quase adultas se vestiam com shortinhos e blusinhas para dançarem na frente da tela. As meninas menores também vestidas da mesma maneira imitavam as mais velhas com admiração. E assim seguiu uma geração de crianças objetos que no ápice de suas carreiras alcançavam o almejado posto de capa da revista Playboy.

Isso não parou, mas a gente acaba se acostumando né? Muitas vezes optamos em não assistir programas desse tipo, mas e as muitas famílias que assistem?

Outro dia me peguei vendo fantástico e fiquei surpreso quando o desafio do programa era um concurso com famílias inteirais fazendo coreografias da música do Michel Teló onde o refrão era: Ai se eu te pego, ai ai. Crianças auxiliadas por seus pais imitavam um gesto sexual, fazendo referência ao educativo refrão. Não é o fato das crianças fazerem o tal gesto em si, mas sim a principal emissora do País ter essa iniciativa, triste não?

Bom, escrevo isso para falar sobre a campanha da C&A que está no ar agora, o tema: O Mundo Mágico das Crianças. Vejam o vídeo acima e a mulher vestida de mágica, algo me lembra das paquitas.

Não sei se é para capturar a atenção dos pais, como faz o Faustão onde mulheres dançam no fundo do vídeo hipnotizando grandalhões sentados na frente da TV no domingo a tarde.

Fica aqui a reflexão, a estética e os estímulos para nossas crianças vem de uma marca e de uma concessão pública, os canais de TV. Triste saber que essa ideia foi pensada por um grupo de profissionais de agência de propaganda e aprovado por outros tantos que acham isso legal, enfim, sabe quando vou comprar algo nessa loja? Nunca.